Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe.

Dizem que quando morremos toda a nossa vida pode passar diante dos nossos olhos. Mas não é preciso morrer para que em algum momento decisivo façamos uma retrospectiva de nossas vidas. De repente podemos sentir uma vontade incontrolável de relembrar o passado, reler cartas, e-mails, ver fotos antigas e observar as mudanças de percurso, pensar nas pessoas que entraram e saíram de nossas vidas, nos cursos que fizemos, nos estudos, trabalhos, além de tudo o que não fizemos. Tanta coisa passou, tanta coisa mudou, e fosse bom ou fosse ruim, nada ficou exatamente no lugar.

Quem nunca encontrou uma antiga carta, um e-mail, um diário e sentiu-se envergonhado por um dia ter sido capaz de ter escrito aquilo? Quem nunca olhou para o passado e percebeu que teria feito muita coisa diferente? O amadurecimento nos permite refletir, repensar e aprender com nossos próprios erros e acertos. Daqui a um, dois, dez ou trinta anos, poderemos ser capazes de olhar para os dias de hoje e ter exatamente a mesma sensação.

É observando esse percurso que percebemos o quanto já mudamos e podemos ter a certeza do quanto ainda vamos mudar. Quando um sentimento nostálgico invade a alma e toma conta dos pensamentos e emoções em todos os aspectos da vida é que a máxima de que não há mal que sempre dure e nem bem que nunca acabe se faz compreender.

About these ads

4 Respostas to “Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe.”

  1. Isabelle Werner Says:

    realmente nao é preciso estarmos morrendo para lembrarmos de coisas e momentos felizes e treistws que aconteceram em nossas vidas, podemos fazer isso diariamente é tao bom ficar lembrando daqele beijo roubado ou de um abraço bem apertado, porem é também necessario lembrarmos de brigas para que nao se repitam mais..carpie dien

  2. penso estar envelhecendo – tudo se repete em uma velocidade assombrosa – no cuidado da observação dos movimentos alheios: nem o levantar de uma dama me trás mais graça. enjoei de tudo dos beijos dos abraços do sol pela manhã e da chuva à tarde – também os assuntos se perderam ao vento pela pura indiferença dos fatos – passei à estar contaminado pela indiferença pelo egoismo poderia dizer – pelo espelho – mas cansei de velo também sim o meu próprio eu – acho que são o conjunto das minhas derrotas ou a totalidade de minhas vitórias o que há após o cume de uma montanha ou do percurso de um rio.
    Pois, agora vou de encontro a minha própria alma na noite do último dia com uma fogueira e meus juízes sejam eles quais forem – ce lá, deve haver algo do outro lado das frágeis ilusões.

  3. João Carlos Says:

    Justamente por ja conhecermos esta mensagem, deixem as picuinhas de lado e se entendam porque o tempo passa e pode ser que não tenhamos tempo de reparar ainda nesta vida.

  4. No olho do furacão, não sentimos gosto, cheiro, textura ou sabemos o tom. Tudo sopra violentamente. E somente teremos a dimensão das coisas, quando o vento parar e tivermos que reconstruir. Melhor se antecipar, não perder o momento, o tempo. E se for pra se jogar no vento, que seja como uma ave ou uma pipa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 273 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: