Arquivo de abril, 2010

A trilha sonora da vida

Posted in Meu Mundo, Nosso Mundo on abril 29, 2010 by Unsere Welten

Para cada momento da vida existe uma música. Para cada pessoa existe uma música. Na realidade, cada pessoa tem uma música para cada momento, e para todas as pessoas existem músicas específicas relacionadas à outras pessoas. Para ser mais claro, você sabe quando ouve uma música e pensa em alguém especificamente toda vez que toca? Então, é exatamente isso.

Existe uma música que parece meu pai composto em notas, outra me faz lembrar de um momento com alguém e quando ela toca, tudo vem à tona como se eu estivesse naquela companhia outra vez. Em outros momentos, músicas tocam na minha cabeça para a situação vivida. Você não tem a impressão de ter uma trilha sonora na sua vida? O que seria de nós se para cada momento triste ou feliz não tivéssemos aquela música para escutar?

Se na vida acontecesse como em uma novela ou filme, uma música começaria a tocar de repente durante um cruzar de olhares, ou se você estivesse sozinho o no quarto e uma lembrança lhe trouxesse uma lágrima, aquela música especial tocaria fazendo você chorar ainda mais. Você teria uma música tocando no ar até mesmo quando estivesse passeando de bicicleta.

Mas a vida não é como novela, tampouco como um filme. A vida é uma música orquestrada, cada dia é uma nota e nós somos compositores e maestros. Todos que fazem ou fizeram parte da sua vida, integram a orquestra. Se a sua orquestra é um fracasso, você é um péssimo maestro e um compositor nada harmonioso. Viva o universo musical!

Fada-Rosa

Posted in Meu Mundo on abril 27, 2010 by Unsere Welten

Essa é uma história sobre uma flor que escreveu sobre flores. Na verdade, não se sabe ao certo se era uma flor que virou fada ou uma fada disfarçada de flor. O fato é que ela era perfumada como uma flor, bonita como uma flor, mas agia como uma fada que escrevia. Ela viu as flores dançarem, encontrou com criaturas mágicas e saiu pelo mundo para espalhar sua alegria.

Era uma rosa branca. Costumava irradiar uma luz forte, alguns diziam que não se parecia com as outras flores, pois juravam que se prestasse atenção, as pétalas se mexiam e soltavam um fino pó dourado. A rosa ainda não conhecia a sua essência, pois apenas se mexia apenas quando estava dormindo. Um dia ela viu lírios dançarem, e no meio deles, uma outra rosa branca. Que coisa mais incrível! Uma rosa dançando, em meio aos lírios!  Ela sentiu uma vontade imensa de dançar, e quando viu, mexia suas pétalas ainda um pouco desajeitada, bailando no ritmo da música dos lírios.

A rosa assustou-se quando viu uma imensa quantidade de pó dourado ao seu lado, e quando se deu conta, o pó estava por todas as suas pétalas.  “O que está acontecendo comigo?” perguntou a rosa, e ela logo viu que quanto mais ela dançava, mais pó ela soltava e mais leve se sentia. De repente ela achou que poderia flutuar, e imaginou que estava voando. De olhos fechados teve essa exata sensação e quando os abriu, percebeu que estava a 15 metros do chão. Assustada, a rosa caiu. Não havia se machucado, mas achou que algumas pétalas tinham saído do lugar. Não eram pétalas, eram asas.

A rosa olhou para as suas asas e disse “eu sou uma rosa que pode voar!” foi quando um pássaro veio lhe dizer: “Você nasceu como uma flor, mas sua essência sempre foi de fada”. “Mas porque eu nunca voei antes?” perguntou-lhe a Fada-Rosa, “Porque você nunca tentou” respondeu o pássaro. “Eu, uma fada!” pensou a Fada-Rosa.

Suas pétalas brancas tinham um leve toque lilás quando refletia ao sol, formavam uma saia em volta do delicado corpo da fadinha, suas asas eram transparentes, e salpicava o mundo de dourado por onde que que elas batessem. Ela voou, e empolgada bateu as asas cada vez mais, sobrevoou os lírios e os pássaros, voou tão alto, mas tão alto que ela alcançou as estrelas.

As estrelas ficaram felizes ao ver a Rosa-Fada, “Nós estávamos esperando por você!” disse uma estrelinha jovem que brilhava muito. “Estavam esperando por mim?” perguntou a fadinha, um pouco confusa. “Sim! Estava escrito aqui… nós escrevemos que uma rosa que descobriu que era fada alcançaria as estrelas!” respondeu a estrelinha. E as estrelinhas dançaram em volta da Rosa-Fada. Como todo mundo sabe, nada está escrito nas estrelas, é o que as estrelas escrevem que vale.

A Rosa-Fada já havia alcançado as estrelas, e agora sabia que poderia alcançar muito mais. Ela sentiu uma vontade imensa de escrever, contar para o mundo o que viu, e então ela se tornou a primeira Rosa-Fada escritora. Ela escreveu sobre as flores, sobre os lírios que dançavam, os pássaros, e o mundo de fantasia que conhecia. O final dessa história está longe de chegar, porque a fadinha continua voando, visitando diversos jardins, escrevendo novas estórias e histórias e encantando flores, pessoas e fadas ao redor do mundo. Algumas pessoas dizem que em algumas noites estreladas é possível ver varias estrelas em volta de uma luz branca, com leve tom lilás e uma névoa dourada.

Essa história é dedicada à uma grande amiga, irmã de coração, que se reconhecerá nessas linhas assim que bater os olhos aqui. Saudades… te adoro!

%d blogueiros gostam disto: