Baseado em fatos quase reais

A pintura preta estava intacta. Não havia na lataria um só amassado que denunciasse quem era o seu condutor. Entretanto, um único detalhe entregava as condições nas quais a máquina era guiada. O veículo sofrera algumas avarias e perdera a sua porta traseira esquerda. A cirurgia a qual foi submetido deixou sequelas e danos irreparáveis.

O possante transformou-se em um deficiente físico anômalo permanente. As portas sobrepostas em um único espaço denunciavam um tipo de polidactilia automotiva. Ao invés de um dedo inútil a mais, era uma porta inútil a mais. Já não era mais possível trafegar com a aberração negra sem a presença de um passageiro viajando no banco traseiro esquerdo com a janela aberta e segurando a porta mais externa, pressionando-a contra a interna, para evitar que ela batesse nos carros que passavam ao lado.

Ocorre que naquele dia um bêbado sentara no banco traseiro esquerdo e, cansado de segurar a porta externa, largou-a. A mesma se abriu e começou a espancar a lataria dos automóveis que trafegavam em alta velocidade, como quando, para causar tumulto, uma caneca de alumínio é arrastada de um lado para o outro nas grades de uma prisão.

O ensandecido condutor ordenava que a porta fosse segurada, mas o bêbado já não conseguia mais alcançá-la. Principalmente depois que o carro alçou vôo por passar em alta velocidade sobre uma lombada que o louco motorista não avistara porque olhava para a catástrofe causada pela porta extra. O bêbado quase foi defenestrado.

Como em uma fuga de um filme policial na sessão da tarde, o blackbird voltou a tocar o chão sem causar danos maiores à sua estrutura, deixando apenas um pequeno arranhão no pára-choque dianteiro. O condutor já não tinha mais fôlego, chegara à conclusão de que a coisa preta era amaldiçoada e já não podia mais controlá-la.

Toda aquela balbúrdia chamou a atenção de uma frota policial, que cercou o carro preto por todos os lados e todos os ocupantes que saíram de mãos para cima. Explicada a situação, os ocupantes foram liberados com um policial apto a conduzir o amaldiçoado e levar todos em segurança às suas respectivas residências, exceto o condutor, que fora algemado e conduzido pela frota policial de 20 carros para um desconhecido rumo. Os ocupantes do possante polidáctilo estavam apreensivos, viram se afastar o amigo que imobilizado dizia: “Tudo bem, essas coisas sempre acontecem comigo.”

O negão amaldiçoado foi apreendido e enviado para estudos de anomalias em anatomia veicular. O famigerado condutor foi permanentemente proibido de conduzir qualquer veículo e, para garantir que a lei fosse cumprida, foi determinado que ele ficaria trancado em uma cela isolada do contato com o mundo externo, sem previsão de soltura, a fim de garantir a segurança pública nas estradas. Fim.

Anúncios

Uma resposta to “Baseado em fatos quase reais”

  1. O estilo literário de Roberta Shryack King, a nova mestre do terror e suspense sobrenatural tem arrancado elogiosas críticas com seu romance de estréia, “Blackbird – O Carro do Diabo”, inclusive de especialistas no segmento, como Neil Gaiman, o renomado criador da série “Sandman”, o qual negou qualquer suposta influência nos sonhos que inspiraram a jovem escritora, defendendo que “histórias sobre carros com possessão em auto-estradas demoníacas fazem parte da cultura folclórica mundial, propiciando versões criativas sobre esse assunto tão fascinante”. (Transcrito do periódico nerd “Nightmares and Devil’s Car Magazine)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: