Síndrome da Égua Ibera

Existem momentos nos quais me sinto um pouco Bentinho, e a coisa vai além.  Minha imaginação concebe a Égua, a brisa vem e nasce um potro que logo vira cavalo de Alexandre, trota, cria asas e voa. Ele continua voando, cospe fogo e vira dragão. O dragão cresce, fica imponente e conhece um dragão fêmea. Os dragões se casam, dão uma festa, ficam bêbados, botam fogo nos convidados, destroem tudo e voltam para casa. Lá, encontram a Égua. Sobre ela o bater das asas dos dragões provoca uma leve brisa…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: