De Bentinho a Caeiro

Houve um tempo em que eu fui mais Bentinho, de imaginação cuja égua íbera dava à luz incontroláveis potrinhos. Já foi o tempo. Hoje estou mais Alberto Caeiro, vendo, vivendo, sentindo e observando o mundo sem muito pensar nele, porque, afinal, dele “nada tiramos e nada pomos; passamos e esquecemos; E o Sol é sempre pontual todos os dias.”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: